Exercer liderança e poder é uma característica que poucas pessoas conseguem. E são muitos os fatores que contribuem para isso, mas todos estão ligados a um único ponto em comum: saber se comunicar. Esse ponto em comum é tão relevante que você pode conseguir exercer liderança e poder sobre uma grande quantidade de pessoas até mesmo para os motivos mais moralmente questionáveis do mundo.

E não tem como falar sobre isso sem citar um dos grandes comunicadores da história da humanidade: Adolf Hilter. Isso mesmo! Aquele mesmo ditador responsável por matar milhares de pessoas e construir um dos regimes mais cruéis da história da humanidade também tinha um grande poder de comunicação.

Hitler era um grande orador. Passava horas e mais horas treinando seus discursos. Ele sabia exatamente onde colocar cada uma das vírgulas, qual gesto deveria fazer em determinado momento e ocupava o seu pouco espaço de palco como ninguém. Se assistir os vídeos de seus discursos, mesmo que não entenda nada de alemão como eu, poderá perceber que cada sílaba é treinada à exaustão. É possível notar muitos gatilhos mentais, por exemplo, em seu discurso. E foi exatamente por isso que ele conseguiu que a Alemanha se unisse em torno de um regime extremamente opressor: seu poder de comunicação.

E como se os seus discursos não fossem o suficientemente fortes para mover multidões, ele continha uma máquina de propaganda comandada por um de seus maiores aliados, Joseph Goebbels. Essa e tantas outras histórias mostram que a comunicação é o grande alicerce da liderança e poder, mesmo que sejam voltados para causas cruéis.

Liderança: Poder e autoridade através da comunicação

Grandes comunicadores constroem autoridade e se tornam pessoas extremamente relevante. Se pensarmos nesse assunto mais amplamente, nós temos muitos nomes exercendo liderança e poder em determinados nichos de mercado através da comunicação.

O professor Clóvis de Barros Filho, por exemplo, sabe falar sobre filosofia como poucos e é uma autoridade na área. Seus trejeitos, entonação da voz e todo o seu estilo envolve as pessoas de uma maneira fantástica. E ele não precisa ser outra pessoa no palco, apenas mostrar o melhor dele. Certa vez, foi contratado para fazer uma palestra para algumas senhoras religiosas. A contratante pediu para que evitasse falar palavrão. E sem saber como fazer isso, o professor Clóvis falou mais palavrão do que nunca na sua vida. Sabe qual foi o resultado? Boa parte da plateia foi conversar com ele pedindo por outra palestra em breve.

Professor Clóvis de Barros Filho exerce liderança e poder.

Isso acontece porque ele consegue gerar liderança e poder através de uma boa comunicação sem precisar mascarar a sua verdadeira personalidade, cheia de palavrões e um jeito meio desleixado. E essa é a grande essência da autoridade: ser uma pessoa que se torna referência, sem deixar de ser você mesmo.

Ter liderança e poder não significa exercer esse poder

Eu escolhi o exemplo de Hitler para tratar neste artigo justamente porque ele utilizou sua liderança e poder ao extremo para construir uma das maiores manchas de história da humanidade. E escolhi um exemplo de grande líder brasileiro, com jeito bonachão, justamente para mostrar o oposto.

Hitler, com sua comunicação, construiu um dos governos mais violentos do século XX. Clóvis de Barros Filho usa essa mesma liderança e poder para outros fins. Ele faz palestras sobre felicidade e ensina filosofia na USP – esse vídeo dele falando sobre felicidade é uma grande aula de comunicação para quem deseja ser palestrante.

Eu, por exemplo, me tornei um líder nas vendas. Já fui eleito um dos cinco maiores palestrantes de vendas do Brasil pela revista Venda Mais. E agora, com o programa Ser Palestrante, estou me tornando uma referência na formação de palestrantes no Brasil.

Esses exemplos todos para mostrar que a liderança e poder são construídos através de uma boa comunicação. A única qualidade necessária para isso. Porém, ter liderança e poder nem sempre é exercê-lo ao máximo.